Movimento Gaúcho em Defesa do Meio Ambiente convida para celebração do Bioma Pampa

In Notícias on

Movimento Gaúcho em Defesa do Meio Ambiente convida para celebração do Bioma Pampa

imagem

Em 17 de dezembro comemora-se o Dia Nacional do Bioma Pampa, data escolhida em homenagem ao nascimento do ambientalista José Antônio Lutzenberger. O Pampa foi reconhecido como Bioma em 2004 e teve seu dia criado em 2007, necessitando ser considerado como patrimônio natural na Constituição Federal! (PEC do Bioma Pampa 05/2009).

Entre os biomas brasileiros, o Pampa é exclusivo da metade sul do Rio Grande do Sul, ocupando uma área de 178.243 km2, correspondendo a 63% do território gaúcho e 2,07% do território nacional. É o que apresenta o menor número de áreas formalmente protegidas, representando somente 0,36% de sua área de ocorrência.

O Bioma Pampa ainda carece de legislação específica e de políticas públicas para sua proteção, como acontece com outros biomas brasileiros, e vem sofrendo grande conversão das áreas de vegetação remanescente, que hoje não ultrapassam 36% de seu território, para monoculturas de exportação e outras formas de degradação de seus ecossistemas.

Além de patrimônio natural, o Pampa é também um legado cultural do povo gaúcho que está ameaçado pelas monoculturas e pela destruição de seu habitat natural.

Nesse contexto, também os povos e comunidades tradicionais, que historicamente vivem no bioma, têm sofrido com a ameaça a seus territórios, modos de vida e desrespeito a seus direitos. Suas trajetórias e culturas, entretanto, mantêm vivos os saberes e a forma respeitosa de relação com o ambiente, passados de geração em geração. Povos indígenas, comunidades quilombolas, pescadoras e pescadores artesanais, povo de terreiro, povo cigano e pomerano, benzedeiras e benzedores e pecuaristas familiares constituem uma sociodiversidade muitas vezes invisibilizada, mas que carrega consigo histórias de luta, resistência, cuidado e respeito aos seus lugares, contribuindo na conservação do bioma. Muitas vezes, seus territórios tradicionais abrigam ainda áreas bastante conservadas e representativas do Pampa.

O Pampa vem sofrendo uma progressiva descaracterização do seu território pelas crescentes ameaças com o cultivo do agronegócio de árvores exóticas e plantas transgênicas como lavouras de soja e agrotóxicos, que não pertencem ao bioma nativo, no qual a vegetação original é composta por plantas herbáceas e arbustos. O campo é a expressão adequada para o perfil climático e o tipo de solo da região.

O Movimento Gaúcho em Defesa do Meio Ambiente pretende realizar este debate em parceria com entidades, convidando todas e todos para participar, em favor do Bioma Pampa e em Defesa da Vida. Haverá distribuição e sorteio de materiais. Convide sua entidade, colegas e amigos para este evento em https://www.facebook.com/events/348147128873731/

No Auditório do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (SIMPA), Rua João Alfredo, 61, Porto Alegre (RS), às 19h.

Programação

Abertura cultural: Música da cultura pampiana

Palavra dos Povos e  Comunidades Tradicionais do Pampa

  • Pecuarista Familiar (Fernando Pires Moraes Aristimunho)
  • Representante Indígena Kaingang (Dorvalino Refej Cardoso)
  • Representante Indígena Guarani

Mito e Diversidade

  • Prof. Dr. Roberto Verdum (Geociências, UFRGS)

Realização e moderação

  • MoGDeMA – Movimento Gaúcho em Defesa do Meio Ambiente

Apoio

  • InGá – Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais
  • Rede Campos Sulinos
  • AGAPAN – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural
  • NEJ-RS – Núcleo de EcoJornalistas – EcoAgência de Notícias
  • FLD – Fundação Luterana de Diaconia
  • Comitê dos Povos e Comunidades Tradicionais do Pampa
  • PIA – Pastoral Indigenista Anglicana
  • CIMI sul – Conselho Indigenista Missionário
  • ACESSO – Cidadania e Direitos Humanos
  • APEDeMA-RS – Assembleia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul